'Cooperação Sul-Sul também deve ser tecnologia', diz Mario Garnero, da Brasilinvest

Fórum das Américas

9 de abr. de 2012

SÃO PAULO , 9 de abril de 2012 /PRNewswire/



Mario Garnero , presidente do Brasilinvest , o banco comercial pioneiro do Brasil , afirmou esta semana em uma conferência científica em São Paulo que a posição firme do Brasil em energias limpas coloca o país como um referência para os modelos de desenvolvimento contemporâneos. "A bioenergia, outrora um imperativo para a indústria automotiva brasileira por lidar com os choques do petróleo na década de 1970, agora é uma tendência generalizada no Brasil . Tornou-se fundamental para o Brasil em seu impulso para a inovação tecnológica, agricultura sustentável e ambientes urbanos mais limpos", disse ele.

O discurso de Garnero foi proferido na Conferência " Brasil , Itália e África para o Desenvolvimento Sustentável", realizada em São Paulo pelo Fórum das Américas, Governo do Estado de São Paulo , Ministério do Meio Ambiente do Governo da Itália e Global Bioenergy Partnership , um grupo de apoio do G-20 sobre os aspectos de interseção entre bioenergia e sustentabilidade.

Outros palestrantes da Conferência incluíram Corrado Clini , Ministro do Meio Ambiente do Governo Mario Monti na Itália , e José Goldemberg , ex-Ministro do Meio Ambiente e Reitor da Universidade de São Paulo (USP), principal centro de pesquisa e ensino superior do Brasil instituição.

Na Conferência, Garnero reforçou sua defesa global do uso mais amplo de bioenergia e biocombustíveis, particularmente como a espinha dorsal de uma nova Cooperação Sul-Sul. “Não estamos mais em condições de trocar informações sobre setores de baixo valor agregado ou basear todo o diálogo Sul-Sul em práticas antigas de assistência técnica”.

O empresário brasileiro, que também preside a Associação das Nações Unidas no Brasil , acredita: " A América Latina e a África não podem se limitar às suas vantagens comparativas 'ricardianas' quando se trata de biocombustíveis". Ele acrescenta que "terra e clima definitivamente nos impulsionam à frente, mas teremos um desempenho inferior se não construirmos o terreno tecnológico comum necessário para a inovação".

Garnero elogia a participação da Itália como elemento catalisador do intercâmbio tecnológico Sul-Sul. "Não devemos aumentar nossa competitividade em oposição ao Norte Global, mas, quando apropriado, em parceria com ele."

Para tanto, Garnero firmou parceria com o MIT ( Massachusetts Institute of Technology ) na promoção de conferências inovadoras sobre o desenvolvimento da América Latina . Ele é um firme defensor do programa "Ciência sem Fronteiras" da presidente Dilma Rousseff , que fará uma palestra sobre os desafios do Brasil em pesquisa e desenvolvimento em uma sessão conjunta realizada pela Universidade de Harvard e MIT na próxima terça-feira em Cambridge, MA .


Imagem do site: politize.com.br