HISTÓRIA

O contexto internacional em que o Brasil estava inserido na década de 1960 era bastante limitado. O país experimentava um isolamento político e econômico do mundo e interagia pouco com outros países, principalmente no que dizia respeito a debates de questões internacionais. Esses debates, quando ocorriam, tinham como tema exclusivamente a Guerra Fria.

Ao perceber a necessidade que tinha o Brasil de se expandir e atuar internacionalmente, Mario Garnero, presidente do Grupo Brasilinvest e grande empresário brasileiro, criou o Fórum das Américas, um dos primeiros think-tanks do país. O foco no continente americano se deu principalmente devido ao fato de que as Américas eram autossuficientes em praticamente tudo - alimentos, energia, pessoas - e Mario Garnero viu aí uma possibilidade concreta de inserir o Brasil nos grandes debates internacionais.

Em 1965, o I Fórum das Américas, evento que deu origem à ONG, recebeu especialistas em nível ministerial de diversos países da América a fim de discutir a Educação no continente. Foi realizado de 20 a 23 de novembro e contou com a ilustre participação do então Senador americano Robert Kennedy, além do então Ministro da Educação do Brasil, Flávio Suplicy de Lacerda, e os Ministros da Educação da Bolívia, de El Salvador e do Paraguai.

Em 1978, a criação do Fórum foi oficializada através do seu estatuto, que o definiu como uma 'instituição privada sem fins lucrativos, criada com o objetivo de estimular o debate e o intercâmbio de ideias em nível interamericano, tendo como pressuposto básico a defesa da livre iniciativa econômica, com vistas à busca de resultados harmônicos no processo de desenvolvimento hemisférico.'